Sou um fiasco em desafios, eu assumo

É, gente! Podemos chamar minha participação no Blog Everyday Until Christmas oficialmente de fiasco. Não rolou. E todos os dias que eu não postei só pensava “eu tenho um post pra fazer, tenho um blog pra manter vivo”. E parava por aí. Acho que preciso pegar mais leve comigo mesma no quesito Reticendo. Saber que tenho a obrigação acaba me travando um pouco.

O blog deveria ser algo feito com amor, naturalidade e vontade. Me obrigar a postar só porque enlouqueci com um desafio não funcionou pra mim. Não que e vá desistir de tentar, quero chegar ao dia em que poderei me orgulhar da frequência dos posts e da minha capacidade de me programar para um BEDA da vida, ou o que seja. Mas esse dia ainda não chegou e preciso ser madura o suficiente para admitir e aceitar isso, rs.

O lado bom é que, apesar de não ter postado, estou acompanhando os desafios das meninas que continuam empenhada no BEUC – E AMANDO MUITO! Já me apaixonei por alguns blogs no caminho, tenho conseguido comentar e até ler posts antigos nesses blogs e aumentar ainda mais meu amor por eles. É um ponto positivo e um hábito que pretendo manter, com certeza!

E o que tenho feito nesses dias turbulentos que não consegui postar?

  • passei por uma convenção da empresa (a primeira!) e foi um sucesso;
  • terminei de ler Tartarugas até lá embaixo, do John Green (terá resenha, prometo);
  • fui à despedida de solteira de uma das minhas amigas que foram um presente de 2017 (acho que isso rende outro post, não a despedida, mas essa amizade linda que construí durante esse ano);
  • fui à festa da empresa;
  • trabalhei pra caramba;
  • tive algumas maratonas de visita a lojas para encontrar roupa para essa festa;
  • participei da confraternização do pessoal da minha sala no escritório na casa da chefa;
  • comprei um Karaokê em conjunto com meu pai (com 9.548 músicas, preciso sempre frisar essa informação);
  • fiz compras de Natal para a família, amo dar presentes!
  • teve a festinha de dois anos do meu irmão ❤
  • no mesmo dia fui ao casamento da minha amiga (aquela da despedida).

Detalhe para o fato de todos esses eventos terem sido em finais de semana consecutivos e que semana que vem já é Natal. E vou viajar para Bauru, para passarmos a data com a família da minha madrasta.

Resumidamente, foi assim que cheguei até aqui. E por aqui quero dizer: minha incompetência em me manter ativa no BEUC 2017, mas isso vai mudar, tenho fé. E só de ter encontrado alguns blogs maravilhosos no caminho, valeu à pena. Juro!

Follow my blog with Bloglovin

Anúncios

I’m feeling 25

Sumi alguns dias, sem me orgulhar disso, mas trabalhei loucamente e no feriado tive alguns problemas técnicos e fiquei sem computador. Mas volto hoje em grande estilo, para comemorar a chegada dos meus vinte e cinco anos. Sou uma pessoa que gosta muito de comemorar aniversário. Acho que a vida é para ser celebrada, sim! Sempre! E se temos um dia no ano totalmente dedicado à nossa vida, é o dia que mais temos que celebrar.

Fazendo uma breve retrospectiva do meu último ano, só consigo lembrar de coisas boas, de conquistas e alegrias. E eu até sinto aquele medinho básico de falar isso, por causa de inveja, olho gordo, quebrante ou seja lá o nome que você quiser dar, mas eu não estaria sendo justa com o universo se não falasse. E se não agradecesse.

Sou grata pela minha vida e pelas pessoas que fazem parte dela. Sou grata, inclusive, pelo funil que ela se encarrega de fazer para deixar somente as pessoas que realmente nos agregam e fazem bem. Se eu contar dos últimos cinco anos pra cá, sei exatamente quem ficou. Nem preciso ir tão longe, na verdade. Dos últimos três anos pra cá já é o suficiente. E hoje sei que quem ficou é quem se importa (e importa para mim) me ama e quer meu bem.

Acordei com 25, me sentindo mais próxima dos 30, mais distante da Bruna de 15 e muito mais completa do que nunca. Só posso desejar que esse ciclo que se iniciou hoje seja ainda mais repleto de alegrias do que o último. E que todo ano isso se repita pra eu ter motivos para agradecer e poder continuar com os mesmos desejos.

Desde que eu aprendi a tomar a responsabilidade pela minha vida, pelos meus atos e do meu destino, muita coisa mudou. Eu mudei. E mudar é bom. Antigamente eu tinha um pavor imenso de mudanças, mas hoje eu aceito e entendo quão necessárias elas são para nossa evolução. Quero mais da vida, aprender mais, amar mais, sonhar mais e realizar muuuuuito mais! Essas minhas novas páginas em branco estão aí para isso. Para serem coloridas com vida! Meu ano novo começou hoje, minhas resoluções estão prontas e daqui a um ano volto aqui pra agradecer novamente.

Bem-vindos, 25.

11-09-2017