Olá, 2018.

Você chegou. Seja bem-vindo. Faz alguns meses que te espero, pois já tinha muitos planos para colocar em prática com sua chegada. Dizem por aí que todo dia é dia para recomeçar, mas sou uma pessoa que gosta de simbologias e não há nada mais simbólico do que recomeçar junto com o começo do ano. Mesmo que eu goste de usar meu aniversário como fonte de força para iniciar novos ciclos, a força que vem com a virada de ano é inegável.

Para esse ano tenho muitas ideias que já estão no papel, loucas para ganharem vida! Tenho projetos pessoais, profissionais e uma vontade imensa de ser uma pessoa melhor em muitos aspectos. Desde dar aquele sorriso sincero para as pessoas que cruzam meu caminho nas ruas até parar de reclamar e reconhecer o bem em todas as coisas. Quero observar mais o mundo ao meu redor. Enxergar de verdade coisas que eu, até o momento, só via. Ver a beleza nos detalhes que pipocam todos os dias a nossa volta.

Pretendo escrever mais sobre o que vem de dentro e o que eu enxerguei do lado de fora. Tirar mais fotos de todos esses detalhes ocultos. Sentir o vento em uma tarde de terça-feira comum e agradecer pela brisa. Ser molhada pelos pingos de uma chuva que ameaça cair e reconhecer a vida que é renovada a cada temporal.

Quero organizar melhor meu tempo para não deixar nada do que eu amo de fora. E com isso me incluo, pois o amor próprio deve ser sempre o maior amor que carregamos dentro de nós. Se separamos tempo para ler e assistir seriados, por que esquecemos de separar o mesmo tempo para aquele momento só nosso antes de dormir? Nem que seja para passar um hidratante e pentear o cabelo.

É, 2018. Você chegou e eu prometi pra mim mesma muitas mudanças e melhorias a partir do seu primeiro dia. Sei que a sua espera foi só uma desculpa para dar início a tudo que eu desejo alcançar e agora você está aqui. não tenho mais porquê enrolar ou postergar. Toda mudança começa dentro de nós e a força para realiza-la também está aqui dentro. Carregamos isso com a gente, para usar no momento em que nos sentirmos preparados. Geralmente é quando precisamos. Não importa quando seja, desde que seja.

Obrigada por chegar e trazer tantas oportunidades. Por trazer renovação, reflexão e tanta vontade junto! Temos um ano de muita consciência e evolução pela frente. Vamos usar todas as páginas em branco que ganhamos e preenche-las com amor, carinho e força! Feliz ano novo! Feliz vida nova!

new year_quote

Anúncios

BEUC #01 | Blog Everyday Until Christmas

E aqui estamos nós, começando mais um projeto – e já começando errado! Mas essa sou eu, otimista, cheia de vontade e amante eterna de novas chances e começos. Mas será que dessa vez, além de começar, eu consigo ir até o final?

Como sempre, de olho no melhor grupo do Facebook relacionado á blogosfera, encontrei um post da Ana Mattos, dona do Teoria de Todas as Coisas, e me deu vontade de encarar mais uma loucurinha básica, pra tentar fechar o ano com chave de ouro, já que desde agosto, quando voltei com o Reticendo, não consegui manter uma sequência da qual pudesse me orgulhar por aqui.

A ideia era ter começado ontem – parabéns, Bruna – mas não consegui e vim aqui hoje, para dar início ao BEUC: Blog Everyday Until Christmas, com um dia de atraso mas muita vontade de ir até o final! Dessa vez tenho até um plano, yey! Tenho pautas programadas e vou fazer de tudo para deixar os posts escritos com antecedência (comecei bem, né?). Sobre acompanhar os blogs participantes, estou fazendo uma limpa no meu Feedly para ler tudo que eu tinha de atrasado nas últimas semanas e começar o BEUC com zero pendências, assim vou conseguir ler dia-a-dia o que a galera que está participando postar.

Quem sabe, assim, consigo acompanhar o Blogmas também, vou ser ousada nessa propostas, mas vai que, não é mesmo? Quem quiser participar, só vem! No rodapé tem o link para o post explicando o projeto, vai ser amor, prometo.

RodapéAnimadoBEUC

Blogagem Coletiva de Setembro | Confissões de um viciado em livros

  1. Livro impresso ou e-book?

Impresso! Eu leio eBooks? Sim! Tenho algo contra eles? Não! Mas o ritual de sentir o cheiro, ver as especificações de impressão, passar a mão para sentir a textura da capa, aff, não há igual.

  1. Qual é o livro que você mais leu?

Sou clichê mesmo e vou dizer que foi Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban.

  1. Qual é o estilo literário que é o seu preferido no momento?

Chick Lit, já faz alguns anos que estou nessa.

  1. Qual é o estilo literário que você menos gosta?

Não consigo ler auto-ajuda. Já comprei alguns e não saio do lugar, mesmo que o tema me agrade e seja escrito de uma forma interessante.

  1. Qual é o livro que você pagou mais barato?

Querido John, na Black Friday de 2015: R$9,90!

  1. Qual é o livro que você pagou mais caro?

A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert, do Joël Dicker. Comprei logo que saiu e na época foi R$49,90, sendo que os livros ainda estavam na faixa de R$24,90 à R$29,90.

  1. Qual é o livro que você mais quis ou quer no momento?

Nossa! Tenho uma lista gigante, pergunta perigosa para um viciado. Quero muito “Em Busca de Abrigo” e “Paris para Um” da Jojo Moyes por motivos de: tenho todos os livros dela e é mais fácil manter uma coleção se alimentamos ela desde o início.

  1. Escolha um livro e compartilhe uma história.

Gosto muito de citar A Mediadora, da Meg Cabot. É uma série, não apenas um livro e recentemente teve um volume novo lançado, o que acabou por torna-la um pouco mais popular, mas na época em que eu li ninguém conhecia então encontrar algum fã da série era algo muito especial. É uma das minhas sagas preferidas. Li inteira em PDF no computador, porque quando era adolescente não tinha como comprar muitos livros com frequência – acho que por isso hoje em dia gasto tanto com eles – e assim que comecei a trabalhar comprei a coletânea no Submarino. Lembro que a previsão de entrega era de três dias, mas chegou no dia da compra mesmo e minha avó não me falou. Assim que cheguei em casa estava em cima da minha cama, passei um Carnaval inteiro lendo eles.

  1. Quantos livros você tem?

Puts, de cabeça não vai rolar, rs. Vamos apenas dizer que muitos!

  1. Qual é o seu lugar favorito pra comprar livros?

Saraiva ❤ Sou apaixonada por esse lugar. Já passei vários almoços da minha vida sentadinha quieta lá apenas pelo prazer de estar dentro de uma, com o cheiro de todos aqueles livros e músicas legais tocando.

  1. Você tem algum livro que se arrepende de ter comprado?

Nenhum, claro que já li livros que não gostei, mas a maioria das vezes isso aconteceu com eBooks ou livros que emprestei de bibliotecas, mas ainda assim não me arrependo de ter comprado.

  1. Mostre seu livro favorito.

Pode parecer clichê novamente, mas não consigo definir apenas um. Pensem comigo: já mostrei que sou apaixonada por Harry Potter, já falei de uma coleção que estou fazendo de uma autora e contei do meu amor pela saga quase desconhecida da Meg, isso sem ter mencionado muitos outros autores. Não dá para escolher um entre tanto amor. É igual perguntar a uma mãe qual filho ela mais ama.

  1. Qual foi a primeira vez que você leu um romance?

Puts, essa ficarei devendo, não consigo lembrar, rs.

Esse post faz parte da Blogagem Coletiva de Setembro do Clube do Unicórnio (sim, de setembro e foi postada em outubro, me julguem), se quiserem fazer parte também, cliquem aqui 😊

Banner projetos Clube do Unicórnio

 

 

 

A gente fica longe, mas volta

9a68b0f6b1f7f2383df63861edb00fd4

Temos fases e fases, não é mesmo? Eu continuo cheia de vontade de manter o blog, de usa-lo como meu diário em momentos em que eu precisar desabafar e falar sobre assuntos que eu gosto, mesmo que não tenha ninguém lendo. Esse espaço é pra mim, é onde me sinto em casa. Mas mesmo assim, tem épocas que não flui. E eu tenho que aprender a colocar na minha cabeça que está tudo bem.

Eu estava com várias demandas atrasadas na minha vida, meu trabalho tem exigido bastante do meu tempo e quando chego no final do dia só consigo pensar: “Já está na hora de ir embora? Para onde foram minhas horas?”. Mas não reclamo porque sempre fui dessas que gostam de ter muito para fazer. Mil vezes passar o dia atarefada a passa-lo olhando para o nada.

Mas com tanta coisa acontecendo, algumas ficam para trás (como, por exemplo, os posts do BEDA que até hoje não consegui ler!) e o Reticendo não teve a atenção que eu tinha programado para ele no mês de setembro. O mês foi uma loucura! Teve comemoração de aniversário do começo ao fim – do meu, no caso –, voltei para a academia e para uma alimentação saudável pelo menos uma vez por semana e falhei miseravelmente em todas, briguei com meu namorado mais vezes do que eu gostaria me desconectei um pouquinho das redes sociais de forma totalmente inconsciente, mas que gostei.

Teve a criação do Clube do Unicórnio, um clube do livro muito lindo, que surgiu do melhor grupo do Facebook (esse aqui) e confesso que não consegui achar o livro com facilidade para fazer download e estava um pouco salgado para meu orçamento. Consegui baixar semana passada e vou ler até o final dessa para poder falar sobre ele, mesmo sendo fora do mês proposto, porque o que importa é não desistir.

Estou com tudo organizado para adiantar os posts pelo menos semanalmente, assim evito ficar tanto tempo sem postar, espero conseguir, está nas metas do mês. E falando em metas, setembro foi um mês incrível para mim nesse quesito, com exceção do blog, rs. Mas na verdade não tinha incluído isso nos meus monthly goals, mas incluí para outubro já que vi que funcionou com tudo que precisava cumprir no mês passado. Temos um mês inteiro pela frente, temos tempo para realizar muita coisa até o final desse mês. Agora faltam três meses e ainda tenho muitos objetivos em mente e estou com o plano pronto para alcança-los. Sem desculpas a gente consegue o que quiser!

Playlist #06 | Top 5: Rock Nacional Anos 80

Tô quase mudando a data da playlist da semana para domingo, porque já são duas semanas seguidas que não consigo postar no dia certo. Mas o importante é sair. O tema de hoje une duas coisas que eu amo: Rock e os anos 80! Poderia passa muito tempo falando sobre os dois temas, então resolvi elencar 5 nomes da década dos quais eu sou muito fã e escuto bastante desde sempre.

Obviamente, por influência do meu pai, como sempre, mas que se tornaram relevantes para mim independente disso. Aviso que a ordem da lista não tem relação com a ordem de preferência, porque na verdade eu não conseguiria classificar dessa forma. Vamos lá?

11945,1629

 

Legião Urbana: Clássico dos anos 80 que atravessa gerações. Uma das minhas bandas preferidas da vida, não apenas nessa categoria. Sou dessas que canta Faroeste Caboclo inteira quando toca só pra mostrar que sei mesmo, podem julgar.

Mais escutadas: Tempo Perdido, Faroeste Caboclo, Índios <3, Ainda é Cedo.

 

 

cazuza-1-credito-divulgacao

Cazuza: “Meus heróis morreram de overdose, os meus inimigos estão no poder.” Taí uma frase que sempre me faz pensar. E quanto mais loucos os dias ficam e o mundo se perde em tristeza, guerra e indiferença, mais percebo o quanto as letras cantadas por ele e por tantos outros ícones continuam atuais, mesmo 30 anos depois.

Mais escutadas: Ideologia, O Tempo Não Para, Codinome Beija-Flor, Vida Louca Vida, Pro Dia Nascer Feliz.

 

 

IMG_2793

Capital Inicial: Lembro dos meus 16/17 anos, nas minhas últimas férias de verão antes do terceiro ano do Ensino Médio, aquela fase terrível de transição e dúvidas que todo adolescente passa. Pré-vestibular, cheia de inseguranças e medos e o show deles Ao Vivo em Brasília passou no Multishow na virada do ano. Gravei o show e assisti TODOS os dias dessas férias. Literalmente. Se tornou quase um ritual e isso ficou gravado pra sempre na minha memória, eram minha companhia enquanto eu aproveitava os últimos momentos de uma época que não voltaria jamais.

Mais escutadas: Fátima <3333, Independência, À Sua Maneira, Tudo Que Vai, Quatro Vezes Você, Respirar Você.

 

Titãs

Titãs: Acho incrível a energia dos caras até hoje. Com músicas que vão de românticas a críticas sociais e políticas extremamente necessárias e mesmo depois de tantas baixas eles continuam sendo incríveis. Tive a honra de assistir ao show de 30 anos da banda, que contou com a presença da formação original, depois de tantos anos separados e fui a outros shows deles também. Admito que sem o Paulo Miklos minha vontade de ir assisti-los diminuiu um pouco, sou muito fã do cara, mas isso não muda o carinho pela banda.

Mais escutadas: Epitáfio, Marvin, Vossa Excelência, Pra Dizer Adeus, Os Cegos do Castelo, Flores, Televisão.

 

cc4c80be-5d89-4c6d-b576-bfecc883a9da_paralamasjunho2017

Os Paralamas do Sucesso: Clássico, sem dúvida. Com uma pegada meio rock e MPB ao mesmo tempo, a banda continua sendo uma das referências, para mim, do que era a música na década de 80. Eles são os caras que têm as músicas antigas que são clássicas de karaokê e de domingos em família, mas também têm as que são tema de casal apaixonado em novela. Já embalaram romances, fossas, momentos de tristeza e alegria na vida de muita gente (na minha com certeza) e tinham que estar nesse top 5 com certeza.

Mais escutadas: Meu Erro, Lanterna dos Afogados, Romance Ideal, Ela Disse Adeus, Aonde Quer Que Eu Vá.

 

p000004214

Bônus Track: Não poderia deixar a banda Ira! de fora, que eu já ouvia um pouco com meu pai quando era mais nova, mas que só fui conhecer melhor no meu primeiro emprego. Trabalhava em uma empresa de diagramação e editoração e o clima era bem descontraído. Trabalhávamos ouvindo música e dentre muita coisa que aprendi a ouvir e outras que acabei enjoando de tanto que tocava, nasceu o carinho pelas músicas do Ira!. O acústico não saía mais da minha playlist e até hoje é uma das bandas que respeito demais do cenário nacional.

Mais escutadas: O Girassol, Flores em Você, Tarde Vazia, Flerte Fatal.

 

Eu poderia falar de vários outros nomes essenciais ao Rock Nacional dos Anos 80, mas quis falar dos mais escutados por mim, que fizeram parte da minha vida, principalmente adolescência e que me acompanham até hoje. Me conta quais são as suas referência dessa época também!

Limpeza sazonal e o bem que nos faz

22-09-2017

Como toda louca da organização, gosto de momentos em que uma bela limpeza pode ser considerada algo simbólico. Por exemplo, quando esvaziamos os armários no final do ano, para abrir espaço para o que vai chegar com o ano que está para começar e coisas do tipo. Sou muito chegada nessas desculpas “místicas” que gostamos de inventar para justificar a necessidade de virar a casa de cabeça para baixo e arrumar tudo do zero.

Pois bem, semana passada, dada a iminência de mais um ano a ser completado por minha pessoa, baixou a louca da limpeza aqui e tirei tudo do meu quarto (o lugar em que mais me sinto à vontade e segura no mundo, meu refúgio, meu mundinho) e passei o domingo limpando e arrumando o lugar. Me deu uma sensação tão boa, de recomeço.

E calhou de ser próximo ao início da primavera, uma das minhas estações preferidas do ano. O dia estava gostoso, o céu azul e no final do dia meu quarto estava mais aconchegante do que nunca. Tomei um banho relaxante para expurgar tudo de pesado que carregamos durante o ano, ainda mais por estar acabando meu inferno astral e me deitei com a sensação de dever cumprido, quarto cheiroso e mil possibilidades chegando junto com meus 25 anos.

Pode parecer besteira, mas essas atitudes simples, uma limpeza, doar roupas que não usamos mais, um banho para recarregar as energias atrai muita coisa boa para a nossa vida. É revigorante e renovador. Gosto de fazer sempre que possível, mas no ano novo e no meu aniversário (que nada mais é que nosso ano novo pessoal) não deixo passar. É sagrado e me dá a sensação de começar essas novas etapas com o pé direito.

Vale a pena, para todo mundo, se guiar nem que seja ao menos pelas estações do ano e planejar essas arrumações “mais pesadas”. Guardar os cobertores e roupas de frio, trazer os vestidos para a frente no guarda-roupa. Colocar as botas para o fundo e liberar espaço doando tudo que não foi utilizado nos últimos seis meses (técnica que aprendi e pratico periodicamente sem nem pensar).

A Thais Godinho, do blog Vida Organizada (meu blog preferido de todos os tempos!), sempre passa um Checklist Mensal no começo de cada mês, com ideias de coisas para providenciar no mês em questão e que é muito útil para se planejar para os meses e datas que virão em seguida. No post desse mês tem algumas dicas de ações para se preparar e aproveitar a chegada da primavera e, se você tiver paciência, no histórico dos anos anteriores têm várias outras, se eu fosse você daria uma olhada com certeza. Mas já aviso que é fácil se perder e não querer mais sair do blog, rs.

E você? Quais são seus planos para esse último trimestre? Como você costuma fazer essas arrumações e limpas sazonais? Me conta!

Não pensa, só vai

E eu fui! Finalmente criei coragem e dei o ponta pé inicial em uma das minhas 101 coisas para fazer em 1001 dias! E esse item acaba complementando vários outros, o que me deixa mais empolgada ainda.

Há alguns anos luto contra a balança e nunca vou muito longe nos meus projetos fitness. Esse ano decidi que seria diferente, por um bom tempo estudei sobre a alimentação Low Carb (ainda vai ter post aqui falando sobre, prometo!) e iniciei por esse caminho. Foram três meses regrados e com ótimos resultados.

Durante esses período, fiz atividades físicas por um mês e estava me fazendo muito bem. Um grupo de amigas fitness, que conheci participando de desafios do Instagram com pessoas na mesma trajetória, me ajudava muito. Na verdade, todas nos ajudamos mutuamente, e era a maior motivação que tinha naqueles dias, além dos desafios pessoais que eu mesma me impunha para sentir que tinha um objetivo próximo para alcançar.

Acontece que quase na mesma época, todas nós demos uma bobeada com relação às rotinas e alimentação e o negócio descambou. Voltei a me sentir mal comigo mesma, larguei a academia e foi a bola de neve de sempre. Com minha lista, meu aniversário e a vontade de retomar minha vida mais saudável, livre de industrializados, com comida de verdade e uma sensação maravilhosa de dever cumprido a vontade retornou e sem pensar muito (aprendi com a amiga, não pensa: só vai!) acordei mais cedo ontem, coloquei a roupa e fui para a academia antes do trabalho.

Matrícula renovada, força de vontade e o apoio das meninas, que também despertaram e voltaram ao nosso tão amado foco, i’m back to the game! Feliz de novo, com um plano certo para seguir e, com certeza, realizar. Sempre falo “agora vai!”. Mas dessa vez eu sinto que já foi! Está muito claro para mim o que preciso fazer e o tamanho da satisfação que isso vai me trazer. Então agora é assim, não, só levanto e vou. Faço as escolhas alimentares certas, tomo meu chá, minha água e meu café e durmo sem peso na consciência (e um pouco menos na balança).

the-beginning-is-the-hardest-spotebi

Quero chegar ao ponto de poder manter o equilíbrio na minha vida sem descambar. Passamos três meses indo bem e emagrecendo e achamos que já podemos abrir algumas exceções pesadas, mas o resultado sempre chega e nunca gostamos dele. Quero viver bem comigo e com tudo em minha vida. Com o trabalho, minha saúde, minha alimentação, as pessoas que amo. E para isso, preciso estar de bem comigo mesma. É o ponto principal de tudo.

Se você está nesse exato momento procrastinando o começo de uma mudança importante em sua vida, segue esse conselho. Não espera o dia primeiro do mês que vem, nem a segunda-feira. Não pensa “já errei hoje, então deixa para amanhã.” Começa agora. Eu voltei aos meus hábitos em uma quarta-feira. Não me dei mais cinco dias para errar, aceitei que ontem era um dia tão bom quanto qualquer um. Na verdade, até melhor. A frase é clichê, mas faz sentido: daqui a um ano, você vai desejar ter começado hoje. Então começa e diminui um pouco sua lista de arrependimentos, transforme-a na sua lista de conquistas!